terça-feira, 25 de junho de 2024

A estreita “porta” da Salvação

                                                                     

A estreita “porta” da Salvação

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e
espaçoso é o caminho que leva à perdição,
e muitos são os que entram por ele!” (Mt 7,13)

Reflitamos sobre o Evangelho proclamado na Liturgia da terça-feira da 12ª Semana do Tempo Comum – (Mt 7,6.12-14), em que Jesus nos fala sobre a porta estreita da Salvação, entre outras coisas.

O desejo de Deus é que haja um só povo, superando-se todas as divisões, discriminações, exclusões e que todos sejam salvos.

Portanto, a universalidade da Salvação passa por Jesus e vem por meio d’Ele, exclusivamente, porque Ele é a “porta estreita” da caridade, doação, partilha e solidariedade.

Para passar por esta “porta” não basta apenas multiplicar Orações, aumentar o número de vezes que participamos da Missa e tão pouco das vezes que pronunciamos o nome de Deus; é preciso que superemos toda acomodação, desânimo, com a coragem para enfrentar o sofrimento, que por si só, não faz sentido algum, mas que na perspectiva da fé visto pode ser pedagógico e medicinal.

Sofrimento assumido na perspectiva da Cruz ensina, corrige, amadurece, pode nos curar de certas enfermidades e debilidades que muitas vezes nem damos conta.

A autêntica fé não permite instalação e acomodação, ao contrário, ela nos incomoda até que o mundo seja o que Deus deseja, ou seja, o melhor para nós.

Urge recuperar sempre o brilho e o entusiasmo que provém da fé genuína. Mesmo em noites escuras, nos dramas da vida e em momentos de crises Deus continua nos amando.

São nestes momentos, de modo especial, que Deus manifesta o Seu indizível Amor que nos acompanha e nos salva, e jamais podemos duvidar do Amor incondicional de Deus, que muitas vezes parece ausente, mas é constante!

Somos chamados a abandonar toda prática que nos afasta de Deus e do próximo: egoísmo, arrogância, petulância, prepotência, individualismo, indiferenças, rancores, ressentimentos...

Passar pela “larga porta” é trilhar por estas escolhas... A “porta larga” seduz momentaneamente, no entanto, a “porta estreita” salva eternamente! A porta larga é mais fácil, mas empobrece.

A “porta estreita” é muito mais difícil, mas nos enriquece, amadurece... Entrar por ela é fazer-se pequeno como Jesus: simples, humilde, servidor, capaz de amar os outros até o extremo, fazendo de nossa vida um dom.

É seguir Jesus no Seu exemplo de Amor e entrega ao Pai, Amor que nos ama e nos amou até o fim, até o extremo.

Amor que foge de nossos parâmetros e categorias. Amor muitas vezes incompreendido... Amor que, por nós, precisa ser vivido, e quando vivido causa “vertigem”, porque nos desaloja e impulsiona, a vida redimensiona; mas é necessário que estejamos sempre enraizados no Amor de Cristo, e assim só haverá uma “porta”: a estreita.

Reflitamos:
  
-  A porta da salvação é estreita, o que devo fazer para passar por ela?
-  Tenho me empenhado para passar por esta porta que nos leva aos céus?

Sendo a salvação para todos, a questão não é saber quantos a alcançarão, mas se estamos dispostos a multiplicar esforços para pela “porta estreita” passar e a eternidade alcançar!

Façamos, de fato, esforço incansável de passar pela “porta estreita” que nos conduz à eterna felicidade, enraizados no amor de Cristo, brotarão frutos que permanecerão para sempre e assim alcançaremos a eternidade!

Santidade e a porta estreita da Salvação

                                                            

Santidade e a porta estreita da Salvação

Ouvimos, na 12ª terça-feira da Semana do Tempo Comum, a passagem do Evangelho de Mateus (Mt 7,6.12-14) em que Jesus nos fala mais uma vez sobre a porta estreita da salvação e a larga porta e espaçoso caminho que conduz à perdição.

Entrar pela porta estreita é pôr-se num caminho de Santidade, e esta é um Dom de Deus e resposta nossa, e esta não se alcança tão apenas com o esforço humano, no entanto não o dispensa em nenhum momento.

Ela pode ser alcançada, contando com a indispensável graça e a força do Espírito na fidelidade ao Pai, no trilhar do Caminho que é o próprio Jesus.

Ressoe em nosso coração as palavras de Jesus: "Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso é o caminho que leva à perdição,  e muitos são os que entram por ele!” (Mt 7,13)

A Santidade vivida é certeza de Salvação, mas “estreita” é a porta que nos conduz aos céus!

Trilhar o genuíno caminho da Santidade é viver o que o Sublime Mestre nos ensinou, que ouvimos quando Ele proclamou na montanha: as Bem-Aventuranças (cf. Mt 5,1-12)

No Senhor revigoremos nossas forças, e tudo façamos para alcançar a Santidade, firmando nossos passos neste caminho de graça, luz e paz.

Para seguir o Senhor...

                                                         

Para seguir o Senhor...

Na Liturgia, da terça-feira da 12ª Semana do Tempo Comum, ouvimos a passagem do Evangelho (Mt 7,6.12-14), em que Jesus nos apresenta três exigências para o discipulado e uma vida cristã autêntica:

a)       prudência, que consiste no discernimento ao oferecer “coisas santas”, pois a Palavra de Deus exige ser acolhida por um coração aberto, disponível e generoso (como o coração de Abraão – Gn 13,2.5-18);

b)          caridade para com o próximo, como um amor que se dá sem limites, um amor que ama sem medida, sem a preocupação de retribuição – como vemos na lei de ouro que Jesus nos apresenta – “Tudo quanto quereis que os outros vos façam, fazei também vós a eles. Nisto consiste a Lei e os Profetas” (Mt 7,12);

c)   firme decisão em prol do Evangelho d’Ele, Jesus Cristo, sofredor e perseguindo, não se refugiando em falsa segurança, com o esforço contínuo de passar pela porta estreita, que consiste nas renúncias quotidianas necessárias, para livremente segui-Lo até o fim.

Oremos:

“Senhor, nosso Deus, dai-nos por toda a vida a graça de Vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no Vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.


Fonte: Missal Cotidiano – Editora  Paulus - pp.937-938

segunda-feira, 24 de junho de 2024

Com o Bom Jesus, sigamos em frente


 

Com o Bom Jesus, sigamos em frente

 

“O amor de Cristo nos impele”

 (2 Cor 5,14)

Jubileu vivido, beleza da vida contemplada

Na obra da criação e suas criaturas,

Vida da Fonte de nossa plena existência, adorado,

Jesus, o Amado Senhor Bom Jesus.

 

Com Ele, encontro envolvente e indizível,

Na Palavra proclamada e na Eucaristia,

No silêncio, nos cantos e louvores,

E no coração de cada irmão e irmã.

 

A noite escreveu mais uma página,

O sol desponta no alto do céu no horizonte,

Seus raios rasgam a escuridão novamente,

E vou seguir em frente, não posso parar.

 

Há mares a atravessar, ventos contrários,

Naufrágios aparentes e medo no coração,

Com a presença serena do Senhor, confiar

Com Sua Palavra, coragem e necessária travessia.

 

Meio do dia, sol a pino, as horas vão se passando,

Cada um pode ter na face o brilho das lágrimas,

E seus reflexos, revelam os revezes por que possamos passar,

Peçamos que o calor da ternura do Bom Jesus às seque.

 

Em todo o tempo, o Senhor conhece nossas fraquezas,

Compreende nossas quedas, e dores da alma cortantes,

Pois viveu em tudo, como nós, a condição humana,

Exceto o pecado, redimindo-nos para sempre.

 

Ao cair da tarde, o sol se põe atrás das verdes montanhas,

E a cada instante, cenários indizíveis com cores e contrastes,

Com a promessa de que no outro dia, sem dúvida, voltará,

Brindando-nos com sua luz, brilho e calor.

 

O cair da tarde, também em nossas vidas se repete,

Deixando na memória seus cenários,

Com paisagens de ternas lembranças ou não,

Mas em todas elas o Bom Jesus conosco compartilhou.

 

Já é noite, não há mais a luz do sol,

A noite com o luar e o brilho das estrelas,

Tempo do recolhimento necessário com sonhos e sonos

Descanso, forças a recuperar, para um novo dia recomeçar.

 

No céu, sol posto, mas em todo o tempo o Sol Nascente,

O Senhor Bom Jesus nos envolve com Sua ternura,

E com Ele, um novo dia poderemos sempre contar

E Seu amor, luz, alegria e paz ao mundo testemunhar.


PS: 237º Jubileu do Santuário Bom Jesus de Matosinhos - Conceição de Mato Dentro - MG. - de 13  a 24 de junho de 2024.

Em poucas palavras...

                                                        


A missão de João e a nossa

“João é filho de Zacarias, mudo, e de Isabel, a estéril; seu nascimento anuncia a chegada dos tempos messiânicos, nos quais a esterilidade se tornará fecundidade e o mutismo, exuberância profética...(1)

...Ter consciência da própria missão na vida é sinal de sabedoria” (2)

 

(1)         Missal Cotidiano – Editora Paulus – pág. 1659

(2)         Idem pág. 1666

 

Consagração ao Bom Jesus

                                                               


Consagração ao Bom Jesus

“Dulcíssimo Jesus, que a todos ensinastes o caminho da vida e por todos expirastes no alto da Cruz. Volvei para o mundo ingrato os olhos de Vossa divina misericórdia.

Visto que a todos nos conquistastes pelo preço infinito de Vosso sangue. Vossos somos e Vossos queremos ser agora e sempre.

Nós vos oferecemos nossos pensamentos para que os santifiqueis, nossas palavras e ações para que, segundo à Vossa vontade, sejam retas e puras; nossos sentidos, para que sejam por Vós refreados e dirigidos para o bem.

Nós Vos entregamos de modo absoluto e perpétuo, nossas almas e nossos corpos, suas potências e seus sentidos, nossos negócios e nossas intenções, nossas alegrias e nossas mágoas, o presente e o futuro, nossa vida e nossa morte.

Exterminai, Senhor, em nós, todos os vícios e aumentai todas as virtudes, defendei-nos contra as insídias dos inimigos visíveis e invisíveis e acendei em nossos corações o fogo do Vosso santo amor.

Continuai, ó amantíssimo Jesus, a amparar com Vossa especial proteção todos aqueles que visitam Vosso santuário, pela piedade dos fiéis, erguido no cabeço de formosa colina e por tantas e tamanhas maravilhas da Vossa bondade e onipotência distinguido.

Em Vós ó Bom Jesus, depomos toda nossa confiança e toda nossa esperança, pois Vos escolhemos para nossa única riqueza e nosso único tesouro no tempo, para termos a ventura de Vos gozar e louvar na eternidade. Assim seja”.


P S: Oração ao Bom Jesus – Santuário de Matozinhos – Conceição do Mato Dentro – Diocese de Guanhães - MG

Ladainha ao Bom Jesus de Matosinhos

 


Ladainha ao Bom Jesus de Matosinhos

Ó Bom Jesus, Mestre da oração, confiantes Vos suplicamos:

Ensinai-nos a rezar e a viver como irmãos e irmãs.        Bom Jesus, ouvi-nos.

Inspirai-nos, a caminhar juntos como irmãos e irmãs.     Bom Jesus, ouvi-nos.

Auxiliai-nos, a fim de que sejamos servos de todos e dos últimos. Bom Jesus, ouvi-nos.

Orientai-nos, para que vivamos sem preconceito ou discriminação. Bom Jesus, ouvi-nos.

Inflamai nossos corações com amor fraterno, como Vós amastes. Bom Jesus, ouvi-nos.

Concedei-nos a graça de não julgarmos nossos irmãos e irmãs. Bom Jesus, ouvi-nos.

Fortalecei nosso espírito de solidariedade com os mais necessitados. Bom Jesus, ouvi-nos.

Ajudai-nos a anunciar a Paz como fruto do perdão, da reconciliação e da justiça. Bom Jesus, ouvi-nos.

Iluminai nosso caminho na comunhão e participação, como Igreja Sinodal. Bom Jesus, ouvi-nos.

Ajudai-nos a promover a Vida plena. Bom Jesus, ouvi-nos.

Solidificai nossos compromissos com a Fraternidade e a Amizade Social, com esperança no coração enraizada.  Bom Jesus, ouvi-nos.

Guiai nossos passos, para que sejamos peregrinos da esperança. Bom Jesus, ouvi-nos.

Amém.

 

PS: Ladainha escrita a partir dos temas do Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos - Conceição do Mato Dentro - MG - de 13 a 24 de junho de 2024.

 

Quem sou eu

Minha foto
4º Bispo da Diocese de Guanhães - MG